Select Page

SUSTENTABILIDADE PERCEBIDA

MARILENA LINO DE ALMEIDA LAVORATO

13/03/2017

Que as questões socioambientais ocupam espaço privilegiado na agenda global não é nenhuma novidade. A constatação do momento é o crescente interesse dos jovens por esta estas questões. E nem poderia ser de outra forma. São eles, os maiores impactados no futuro por tudo que for feito a este respeito, de bom ou do seu contrário.

A cada dia, mais e mais pessoas se conscientizam não apenas das interferências ambientais e sociais nas suas vidas, como também do grau destas interferências. E, fazem conexões, pensam e concluem. Constroem posições estruturadas e fundamentadas, e assim, influenciam nas percepções coletivas. Sem percebermos (é um processo quase que imperceptível) a sociedade constrói percepção coletiva sobre sustentabilidade.

A agenda global da ONU para o desenvolvimento sustentável com seus 17 objetivos e 169 metas para serem atingidos até 2030 já está em vigor desde outubro 2015. Uma agenda para as pessoas e para o planeta. Uma agenda para a paz e a prosperidade como a ONU a define.

A agenda ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) sucedeu a agenda ODM (Objetivos do Desenvolvimento do Milênio) de 2000, que tinha 8 objetivos para serem cumpridos até 2015. E, estes objetivos praticamente dobraram chegando em 17, e ganhando mais 15 anos para serem atingidos. Ou seja, cresceram, aumentaram, e hoje mobilizam mais de uma centena de países comprovando seu peso e sua abrangência. Sustentabilidade não é um assunto apenas do interesse nacional, nem continental. É um tema de interesse mundial.

A sustentabilidade é percebida tanto pela sua presença, quanto pela sua ausência

Tudo isto para falar que a sustentabilidade é percebida em escala muito maior do que se imagina. Tanto pela sua presença, quanto pela sua ausência. Cada vez mais consistente e forte no inconsciente coletivo. Os ODS são um exemplo disto. A ausência da sustentabilidade esta percebida nos seus 17 Objetivos como fonte causadora daquilo que cada um destes objetivos combate. A fome, a mortalidade infantil, a desigualdade, a poluição e os impactos ambientais, entre outros. E a contrapartida proposta em cada um destes objetivos vem na forma de práticas (as chamadas boas práticas) que possam reverter e assegurar o contrário deste cenário.

O Programa Benchmarking Brasil alinhado com a agenda ODS, reconhece, incentiva e compartilha as boas práticas socioambientais adotadas pelas organizações. Em 2017 um calendário com 7 fóruns (itinerantes e gratuitos) de sustentabilidade para compartilhar os cases Benchmarking alinhados com os ODS serão realizados em parceria com universidades, escolas técnicas profissionalizantes, e entidades representativas e governamentais. Uma forma de valorizar e incentivar práticas que assegurem um desenvolvimento sustentável e um futuro mais justo e equilibrado.

Para conhecer a agenda dos Fóruns de Sustentabilidade 2017, clique AQUI  Para conhecer os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, clique AQUI

Marilena Lino de Almeida Lavorato é ambientalista, Fundadora do Instituto MAIS de Cultura da Sustentabilidade, e idealizadora do Programa Benchmarking Brasil de certificação de boas práticas socioambientais